6 de fevereiro de 2011

Resenha: Cisne Negro

 

Mais de 10 anos se passaram desde a ideia inicial até a estreia do filme nas telonas. E cada minuto de espera valeu a pena. Darren Aronofsky acertou novamente, mantendo sua carreira intacta e firmando sua posição entre os maiores diretores que já existiu. Desta vez ele nos presenteou com mais uma obra prima: Cisne Negro.

Nina Sayers é divinamente interpretada por Natalie Portman, uma jovem bailarina que treinou a vida toda para estrelar e brilhar em sua carreira, sendo rigidamente educada por sua mãe, Erica, cujo sonho é ver o seu sucesso. Erica em seu tempo de bailarina não atingiu este objetivo, passando toda a responsabilidade para a sua filha.

Tamanha tensão e desejo intenso de Nina para tomar o papel principal no balé O Lago dos Cisnes acaba impactando demais a vida da dançarina, fazendo com que ela tenha alucinações e encontre diversas válvulas de escape para aliviar toda a pressão. Além disso, uma nova bailarina, Lily, ameaça a posição de Nina, tornando a trama cada vez mais obscura e tensa, até um final extremamente agoniante e ao mesmo tempo surpreendente.


E justamente no desenvolvimento de toda a trama é que vemos a genialidade de Darren. Os takes quase que pessoais das câmeras seguindo os persongens aproxima o espectador do drama que estão vivendo. A singular montagem das cenas, sempre presente em seus filmes, instiga e coloca mais dúvidas na cabeça de quem o assiste, fazendo o suspense crescer cada vez mais na medida em que a história se aproxima de seu desfecho. Junto a este trabalho magistral está a forte candidata ao oscar Natalie, que encarnou literalmente a personagem, pois fez balé durante anos somente para interpretar Nina e faz aproximadamente 90% das cenas de dança. Os sentimentos e anseios de Nina são claramente transpostos na tela, convencendo o espectador de sua angústia e medos explorados ao longo do filme.

Este longa levou Darren pela primeira vez à nomeação do oscar por melhor filme e melhor direção, que embora disputadíssimos, merece ganhar os prêmios. Não que o oscar seja sinônimo de qualidade, mas isso abriria muitas portas para o diretor, com grandes distribuidoras voltando sua atenção para ele, facilitando seu trabalho e possibilitando-o a fazer novos filmes extraordinários, como o belo e primoroso Cisne Negro.


3 comentários:

  1. Adorei as resenhas no site. E tenho que dizer que esse filme é excelente! Estava muito a fim de assistir e aproveitei uma visita à São Paulo para fazê-lo. Mas quem quiser ver deve se preparar para um filme forte e intrigante.

    ResponderExcluir
  2. Esse filme é sensacional!
    A Natalie Portman ta brilhante e vai ganhar o oscar!
    O terror psicológico que Darren Aronofsky 'coloca' no filme é intrigante!
    Vale a pena assistir!

    ResponderExcluir
  3. Uma obra fílmica monstruosa com atuações convincentes das atrizes... vale a pena conferir.
    Qualquer coisa, outras visões neste blog...
    http://regozijodoamor.com/2014/04/16/resenha-cisne-negro/

    ResponderExcluir